Edição: 12029 Data: 24/06/2017

Notícias - Garça

Vacinação contra a gripe: na segunda começa imunização de gestantes e puérperas

21/04/2017 -


A vacinação contra gripe neste ano teve início mais cedo (dia 10 de abril) e acontece de forma escalonada entre o público-alvo. Para as pessoas com 60 anos ou mais, a imunização começou na última segunda-feira, 17 de abril, bem como para os trabalhadores da Saúde (pública e privada) que foram vacinados no dia 10 de abril. A partir de segunda-feira (24), as doses estarão disponíveis também para gestantes e puérperas (até 45 dias após o parto), crianças entre seis meses e menores de 5 anos e indígenas.

A partir do dia 2 de maio, poderão se vacinar pessoas com doenças crônicas e outras condições clínicas especiais e a partir do dia 8 de maio, os professores das escolas públicas e privadas.

A partir de 15 de maio ocorrerá a vacinação da população privada de liberdade (presídios e cadeias), funcionários do sistema prisional e adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade que estejam sob medida socioeducativa.

Haverá uma mobilização nacional, conhecida como Dia D, em 13 de maio (sábado).

A meta definida pelo Ministério da Saúde é atingir 90% do público-alvo, o que representa aproximadamente 3,4 milhões de pessoas. A vacina é gratuita e está disponível em todas as unidades de Saúde e a campanha ocorre até 26 de maio.

O objetivo da campanha é reduzir os casos de complicações e óbitos causados pela doença. A vacina, além de proteger contra a gripe, reduz o risco de complicações respiratórias e pneumonia.

Segundo a enfermeira Maria Silvia Ferrari, do setor de Vigilância Epidemiológica de Garça, a vacina disponível no SUS protege contra os três subtipos do vírus da gripe que mais circularam no país, assim, além de imunizar a população contra a gripe A H1N1, tipo que se disseminou pelo mundo na pandemia de 2009, as doses irão proteger a população contra os vírus do inverno de 2017, A/Hong Kong (H3N2) e B/Brisbane.

De acordo com a enfermeira, o público alvo são crianças de 6 meses a menores que 5 anos (quatro anos, 11 meses e 29 dias), gestantes, puérperas (mulheres que estão no período de até 45 dias após o parto), idosos (a partir de 60 anos, profissionais da Saúde, povos indígenas, pessoas privadas de liberdade e funcionários do sistema prisional, portadores de doenças crônicas e outras doenças que comprometam a imunidade, professores de escolas públicas ou privadas.

“Neste ano a vacinação acontece de forma escalonada. No dia 10 de abril vacinamos os trabalhadores do Hospital São Lucas. No dia 17 começou com o grupo de pessoas com mais de 60 anos. A cada etapa é incluído um grupo, mas isso não quer dizer que deixamos de vacinar o grupo anterior. A cada etapa aumenta um grupo. A partir de segunda-feira, continuaremos imunizando aqueles com 60 anos ou mais, e acrescentaremos: gestantes, puérperas, crianças com pelo menos 6 meses e menores de 5 anos e indígenas. É importante ressaltar isso. Nada impede que o paciente de um grupo que teve a etapa de vacinação iniciada, por exemplo, no dia 17, tome a vacina nas semanas seguintes em que os novos grupos passaram a recebê-la. As doses estarão disponíveis nos postos de vacinação normalmente, desde que respeitada a data de início para cada grupo”, explicou a enfermeira.

Com relação aos portadores de comorbidades e doenças crônicas, cujo prazo tem início dia 2 de maio, Maria Sílvia orientou sobre a necessidade de que seja apresentado um documento médico relatando o problema da pessoa.

Outro ponto destacado pela enfermeira é que neste ano foram incluídos no público-alvo os professores das redes pública e privada. A vacinação para eles tem início no dia 8 de maio. Maria Sílvia orienta que as doses já estão disponíveis em todos os postos de saúde em Garça.



Contraindicações

A imunização é contraindicada a pessoas com histórico de reação anafilática prévia ou alergia grave relacionada a ovo de galinha e seus derivados, assim como a qualquer outro componente da vacina ou que apresentaram reação grave em doses anteriores da vacina influenza. Uma pequena parcela de pessoas que receberem a vacina pode apresentar dor discreta no local da aplicação, febre baixa, dores musculares e mal estar em até dois dias após a aplicação.

“A vacinação contra o Influenza é fundamental para evitar complicações decorrentes da gripe e doenças graves, como pneumonia”, afirma Helena Sato, diretora de Imunização da secretaria. “A vacina não tem capacidade alguma de provocar gripe em quem tomar a dose, já que é composta apenas de partículas do vírus que são incapazes de causar qualquer infecção”, destaca. 


Mais Notícias